11 de março 2015, às 20H
Universidade de São Paulo


No dia 11 de março 2015 dei uma palestra aberta com a convite do Grupo de Estudos em Estética e Crítica de Arte da Universidade de São Paulo (USP). A palestra tratou de um aspecto do Movimento dos Sem Terra (MST) que me interessa particularamente: as atividades do sector de cultura e especificamente, o fenômeno da mística. No sentido mais simples, uma mística é uma performance de 5 a 10 minutos, sem palavras, em que membros do MST expressam vários assuntos, tais como a repressão que eles sofrem, as questões sobre democracia, a reforma agraria ou as politicas neoliberais. Em minha fala, argumentei que uma leitura da mística através da lente da teoria de ‘estética relacional’ pode ser produtiva a fim de entender teorias de mobilização social. E destaquei porque eu considero particularmente relevante trazer uma teoria como a da estética relacional e mobilizá-la fora do campo das artes.



Download here Organização: Grupo de Estudos em Estética Contemporânea, sob a coordenação do Prof. Dr. Ricardo Fabbrini do Departamento de Filosofia da Universidade de São Paulo.





auflynn [at] ucla.edu



Alex Ungprateeb Flynn is an Assistant Professor at the Department of World Arts and Cultures/Dance, University of California, Los Angeles. Working as an anthropologist and curator, Alex’s practice explores the intersection of ethnographic and curatorial modes of enquiry. Researching collaboratively with activists, curators and artists in Brazil since 2007, Alex explores the prefigurative potential of art in community contexts, prompting the theorisation of fields such as the production of knowledge, the pluriversal, and the social and aesthetic dimensions of form.